domingo, 31 de maio de 2009

Em breve...

[Tenho que contar um sonho. Porém, a narrativa vai ter que esperar, porque ainda não descobri se foi mesmo um sonho. Acho que foi, porque quando acordei já não estava mais lá. Se bem que... no próprio sonho acordei várias vezes, de maneira que não consegui saber ao certo quando foi que de fato acordei.

Não sei. Escrevi pra me lembrar. Mas acho que não tem nenhuma chance de esquecer...]

sábado, 30 de maio de 2009

Saudades dela

Ela estava sempre lá
em meio a suas bugigangas
inventando mais um jeito
de tranformar bagunça em algo surpreendentemente belo.

Ela pedia "toca aquela"
e cantava com sua voz doce de soprano,
com aquele vibrato típico de quem cresceu ouvindo rádio
em um tempo em que o cinema ainda era um luxo.

Ela contava suas histórias
suspirava seu grande amor
detalhava todo o sofrimento e as glórias do caminho construído
e o orgulho da criação que conquistara e da qual eu era parte.

Ela.

Sempre a confundia com Rita Hayworth,
por causa da personagem que tinha seu nome.
Mesmo que ela vestisse calças de veludo e o blusão tricotado à mão,
era no longo vestido, com luvas de cetim, que eu a imaginava jovem.

No final, foi no vestido longo de veludo azul que a vi pela última vez
linda como sempre...
mas a luz intensa de seus olhos verdes
não seria vista nunca mais neste mundo.

Ela foi uma deusa com três faces:
a menina, a mãe, a sábia.
Eu via cada pedacinho de mim que havia saído dela
os quadris largos, a voz pequena, os sonhos...

Hoje ela mora mais longe
lá onde só a saudade consegue chegar.
Hoje eu levei flores, derramei lágrimas.
Mas sempre carrego comigo as marcas de todos os presentes que ela me deu com sua vida.

[Vó... nem acredito que já fazem dois anos! Às vezes parece que foi ontem, às vezes parece que já faz muito tempo. Tem dias em que abro a janela do meu quarto e parece que ainda posso te ver lá do outro lado da rua, na tua janelinha, enquanto fazias tricô; ainda espero que levantes o olhar, me enxergue e acene. Ainda canto as tuas canções. É nessas lembranças preciosas que te mantenho viva, e que sobrevive eternamente o amor que me ensinaste.]

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Aquela listinha...

Uma amiga me contou que a gente deve cuidar muito o que deseja.
Ao pensar na alma gêmea, a gente deve descrever detalhadamente o que quer - e algumas coisas que não quer. Quanto mais positivamente a gente pensar em uma pessoa com essas características, maior nossa chance de realmente encontrá-la.

Parece brincadeira de criança... mas não custa brincar. Aliás, ando precisando.

Então, eis minha listinha:

completamente apaixonado por mim (e por nenhuma outra ou outro);
que me ache a mulher mais linda do mundo;
que goste de passear, viajar, desbravar;
que entenda as maluquices do meu trabalho e respeite minhas escolhas profissionais;
que simpatize com a minha alimentação alternativa;
que esteja sempre se renovando e aprendendo;
que curta um friozinho na barriga;
com quem haja experiências pra trocar e muita sintonia;
que goste de dormir abraçadinho e me abrace até eu dormir;
que me salve quando eu precisar;
que saiba rir e chorar comigo;
que confie em mim;
que tenha um olhar que me arrepie;
apaixonante, muito querido, inteligente, culto, charmoso, gentil, carinhoso, compreensivo, bonito, paciente, divertido, responsável, cavalheiro, forte, autêntico, sincero, espontâneo;
bom de conversa, bom de dança;
que tenha beijos e um abraços maravilhosos;
apreciador de música;
que toque um instrumento musical que não seja tuba, trombone, trompa ou gaita de fole;
trabalhador, estudioso, mas que sempre ache um tempinho pra nós;
que tenha um cafuné gostoso;
que tenha senso de humor pra aturar minha família doida e se dê muito bem com ela;
maior que 1,80m;
que goste de cachorros (mas que não dê demonstrações excessivas de afeto pelo "totó" como sessões de lambidas no rosto, boca, pescoço... eca);
muito cheiroso e limpinho (nada de chulé ou sovaco fedido, definitivamente);
muito companheiro pra indiadas, festas, andanças, estudos, ou mesmo pra ficar à toa;
com vida própria;
que goste de natureza, de festa, de viajar e de ficar em casa de vez em quando;
bom caráter, bom coração, meigo;
que tenha sonhos pra perseguir e conquistar;
que sonhe e vá atrás de sonhos junto comigo e tenha objetivos de vida que combinem com os meus;
que seja luz na minha vida e que ame a luz que tenho pra oferecer;
que não seja mais um problema pra enfrentar e não me encare como um dever;
espontaneamente romântico, que curta bobices como admirar a lua e as estrelas ou o por do sol;
que não queira só brincar e depois me jogar no lixo;
que me enxergue;
que me escreva coisas bonitas, letras de música, que cante pra mim (sendo no mínimo afinadinho);
que tenha olhos doces, mas também cálidos; que me ame com a inocência de uma criança e com o ardor de um grande amante;
que queira ficar comigo pra sempre, e com quem eu queira também ficar pra sempre;
que acredite que um relacionamento duradouro não seja sinônimo de estagnação;
que seja uma grande paixão, um grande amor e meu melhor amigo.

Então... acho que ainda vou descobrir mais qualidades desejadas ou defeitos indesejados. Sou muito exigente? Sim. Cada vez mais. Porque eu ofereço de mim mesma proporcionalmente ao que exijo do outro.

Ele há de existir em algum lugar. Mas se não existir, antes só do que infeliz.

No momento estou muito bem, obrigada!

[bem, e se você se deu o trabalho de ler tuuuuudo isso, parabéns! Já pode se considerar um bravo cavaleiro enfrentando as labaredas do dragão]

Sei lá... (9)

... porque eu acho que já superei.

Mas por que ainda dou bola pra esse papinho?

Tarde demais pra brincar

Mamãe não quer que eu brinque.

Ela diz que já sou muito grandinha
que meu tempo de bonecas já passou
que agora eu tenho que ser séria
que eu tenho que resolver a minha vida

Ela sempre me disse isso
que eu tinha que ser madura
que a vida não era brincadeira
que eu tinha que estudar pra ser alguém

Ela falava todas as vezes
que eu não era mais criança
que eu já estava bem crescidinha
que era pra cuidar da casa, da mana, da lição

Ela dizia repetidamente
que eu não devia namorar
que era feio experimentar
que eu tinha que arrumar um marido pra casar

Quando eu pude brincar?
Quando eu pude ser a menininha que sonhava?
Quando eu pude não me preocupar com o amanhã?

Hoje sou assim:
esta mulher-menina
com um coração brincalhão
que me prega peças
que não sabe aonde quer ir
que se apaixona sem pensar
que sente com a pureza de uma criança.

Me deixa brincar agora,
que a minha brincadeira
é a vida de verdade.
Agora a boneca sou eu
e eu mesma decido como vou brincar.

Antes que maio acabe

Eu vou sentir falta
Já sei como é...
Um dia, tudo termina;
Este mês, esta estação, este ano.

Eu sei, já senti muitas faltas
Posso contar como é...
A gente sempre quer que dure pra sempre;
Tudo o que é bom a gente quer eternamente.

Mas eu não sei mais,
Sempre sinto saudade...
Nem tanto dele ou dela, nem de nós, nem de vocês, nem deles
Sinto falta de mim
no tempo em que estive lá.

Eu quero meus tesouros pra sempre
Mas eu não sei até quando eles estarão ali.
O que me acompanha nesta estação
talvez já não esteja comigo no verão.

Então

Antes que maio acabe
meus tesouros são estes
e eu os abraço enquanto posso.

[sem surtos. Caso você leia, este não se aplica totalmente a você. Não é só seu. É meu, antes de tudo. Um suspiro de amor, perante a efemeridade da vida. Às vezes a gente perde as pessoas, sem mesmo ter descoberto o que há de precioso nelas. Às vezes a gente passa por tremendas dificuldades; mas a gente sobrevive. Eu ainda estou aqui.]

terça-feira, 26 de maio de 2009

Uma letra do Vinícius

[Canção que não sai da minha cabeça...]

Ouve o silêncio

Cala
ouve o silêncio
ouve o silêncio que nos fala tristemente
desse amor que não podemos ter.

Não fala
fala baixinho
diz bem de leve um segredo
um verso de esperança em nosso amor.

Não, oh meu amor,
canta a beleza de viver
saúda o sol e a alegria de amar
em nossa grande solidão...

[Do 1º caderno do ciclo "Canções de Amor", de Claudio Santoro e Vinicius de Moraes.
Para ouvir: http://www.youtube.com/watch?v=DsrsziDdudk]

Ah, como eu adoro isso...

Droga.

Não consigo pensar.
Não consigo dormir.
Não consigo trabalhar.

Meu dia se resume a horas em frente à tela do computador:
algumas delas para compor meu trabalho,
um trabalho de que eu gosto,
mas que se torna cada vez mais difícil.

O que dificulta meu trabalho
são as horas que não dedico a ele.
São as horas em que divago,
navegando por olhares,
suspirando sensações que você me causou.

Nessas horas não sou eficiente
não sou inteligente
não sou competente.
Odeio isso.

Mas por outro lado...
Ah, como eu adoro!!!

[sossega, coração... ]

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Sei lá... (8)

... porque eu simplesmente não sei mais.

Só sinto que é bom!

sábado, 23 de maio de 2009

Espera

Ainda não posso
Ainda não devo
Ainda não consigo

Tenho apenas a espera

Um coração machucado
sofrido, dolorido
que ainda não foi curado
animalzinho acuado
com medo da mão de seu protetor

Sei que o amor me espera
ali bem pertinho
naquele braço dado
naquele olhar disfarçado
no beijo que quase não aconteceu

Mas meu coração não está pronto
ainda quer ficar num canto quietinho
bichinho medroso e inseguro
escondido no fundo do ninho
esperando pelo amor que sempre foi seu

[aiai... tempo, tempo... por que tudo que é bom vem assim, de surpresa, e me pega escabelada, de chinelo e pijama, e não em traje de festa e com a casa arrumada?]

terça-feira, 19 de maio de 2009

Sei lá... (7)

... porque tem coisas que a gente não entende, não explica e não justifica,

mas que não vive sem!

sábado, 16 de maio de 2009

Inspirações

Minhas melhores inspirações têm se perdido no vento,
Na brisa de uma manhã de sol,
Na última vez em que pensei em você,
Não faz nem cinco minutos...

As palavras mais doces
se deixam levar pela pouca memória,
depois do encantamento com que surgiram
e por alguns efêmeros instantes existiram.

Eu as perco,
eu as deixo escapar.

Parece que de propósito,
eu não as escrevo.
Elas vivem ali, naquele tempo,
e tudo o que guardo comigo
é o sorriso solitário que elas me provocaram:
luminoso, tímido e cálido como aquela manhã de sol
e a lembrança daquele olhar...

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Primavera outonal

Qual o problema em sentir?
Por que poderia não ser bom sorrir?
Onde está o lado ruim de tanta alegria?

Não sei!

Não vejo por que não ficar boba de felicidade

Se a vida lhe sorri,
sorria de volta!

Se a vontade é flutuar, cantar e dançar
por um sentimento bom que brota no peito sem explicação...

Tanta luz... quero mais é ser feliz
nesta primavera que desperta em mim
em pleno outono!

sexta-feira, 8 de maio de 2009

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Ruído

Aquele silêncio gritava tão alto
que eu não conseguia mais me ouvir.

Agora eu posso até cantar!

Adolescente

Hoje acordei meio adolescente.

Não tô com vontade de ser produtiva.
Tô suspirando a cada cinco minutos.
Meu coração pula.
Meus olhos brilham.
Meu pensamento é todo de uma ideia - uma imagem - uma canção.
Tenho a impressão de que posso abraçar o mundo.
Não sem sentir um medinho da aventura.

Pra contrariar

Eu quis muito
eu ganhei
aí não quis mais
e quis perder.

Eu perdi
mas voltei a querer
e não tinha mais.

Sem ter,
muito quis não querer
mas vi que queria
queria mesmo.

Ainda tento não querer
mas não consigo

porque lá no fundo eu ainda quero.


[confuso? bem, então imagina só a confusão que gerou tudo isso...]

terça-feira, 5 de maio de 2009

Autoapaixonada

Eu me pego sorrindo
e nem sei o porquê.

Eu saio da sala
eu deixo os amigos
eu acabo o trabalho
eu desligo a tevê...

e sorrio sozinha um sorriso satisfeito.

Subo na minha nuvem
saio flutuando
me abraço, me beijo
me olho e me digo
"oi, gracinha! vem sempre aqui?"

Acho que me apaixonei por mim.

E vai dar em casamento!

sábado, 2 de maio de 2009

Sei lá... (6)

... porque por mais que a gente consiga controlar um monte de coisas, em certos casos o mais difícil é controlar a si mesmo.