quinta-feira, 30 de julho de 2009

Minha casa

Eu quero chegar
fechar a porta atrás de mim
e deixar todos os problemas
do lado de fora,
descansar o corpo e a mente.

Minha casa,
meu refúgio,
minha fortaleza,
onde nada pode me atingir,
onde posso me fazer companhia,
onde tudo é meu.

Meu mundo,
meu lar,
meu paraíso,
onde eu crio minhas certezas,
onde construo minhas forças,
onde produzo meu sangue e cultivo minha alma.

[ah, casinha... ainda nem bem cheguei e já tive que me afastar... A distância me dá uma agonia gigantesca, como separar dois namorados que há pouco se apaixonaram...]

terça-feira, 28 de julho de 2009

Quando eu odeio gente

Eu nunca odeio gente.
Aliás, eu geralmente amo muito fácil.
Me apego rápido,
admiro as maravilhas de cada indivíduo.
Não consigo sentir raiva,
não consigo não perdoar.

Mas...

Tem vezes em que eu odeio gente.
Odeio quem se pendura em mim
só enquanto precisa
gente que me suga
me absorve
e usa minha cabeça como degrau
pra depois pisar em cima,
abandonar sem mais nem menos
depois de retirar o que lhe interessava.

Eu odeio gente assim.

Porque pra mim
gente é amor
gente é pra cuidar
gente é pra se acompanhar
gente é pra se ajudar
gente é pra dividir
gente é pra somar
gente é pra ter pra sempre com a gente

Odeio gente que se aproveita
e depois se esquece de mim.

[e aqui nada a ver com paixão, ou com amores passados. E, a quem servir, que se sinta mesmo tocado e atingido por este protesto.]

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Doente

Eu quero sumir
quero desaparecer
e me afogar no mar da minha própria ilusão

A quem eu penso enganar,
todo este tempo enganando apenas a mim mesma?
Criança iludida
que não quer ver o sangue escorrer da ferida.

Sim, eu estou doente.
Eu estou doente há muito tempo.

Agora tenho pouco tempo.
Mesmo com tanta vida lá fora
sinto a vida acabando aqui dentro.
Mesmo com o coração jovem,
a mente cheia de ideias,
a alma querendo ser livre pra voar
e a inteligência que pode me levar a qualquer lugar...
aqui dentro eu sei
está aquilo de que tanto tenho medo
está aquilo que sempre tentei negar.

"Não há tempo a perder", diz minha consciência de criança
mas é essa a mesma consciência que me leva pra longe da cura,
que me faz aproveitar a vida em largura
e não em distância.

É tempo de parar.

É agora ou nunca,
não há mais tempo a perder
com aquilo que não vale a pena.
É a chance que tenho de salvar minha vida
e realmente vivê-la enquanto a tenho.

Aqui dentro está tão escuro
tão frio
tão solitário...
mas é a verdade.

Não há mais tempo a perder com mentiras.

Quero viver.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Palavras soltas

... e tudo o que eu faço é sonhar
e esperar

nada mais

eu não respiro:
eu suspiro

Morada

Eu sempre lhe desejei
mas não sabia que você era você
e tudo o que eu imaginava estava ali.

Sonhava com você
com seu aconchego morno e luminoso
porta aberta a me acolher.

Eu sempre lhe procurei
em lugares onde você não estava
mas você sempre esteve ali.

Sem eu esperar, você apareceu e me acolheu.
Hoje você é meu refúgio, minha segurança.
Cuido de você e você cuida de mim.
Com você sou feliz!

[ah, minha casa nova!... Como é linda, maravilhosa, querida, sonhada, desejada, planejada, cuidada... Uma nova luz, um novo olhar, um novo amor, uma vida nova!]

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Pedaços de canções (6)

Pra rua me levar...

(Ana Carolina e Seu Jorge)

Não vou viver                  
como alguem que só espera um novo amor
há outras coisas no caminho aonde eu vou
as vezes ando só trocando passos com a solidão
momentos que são meus
e que não abro mão

Já sei olhar o rio por onde a vida passa
sem me precipitar e nem perder a hora
escuto o silêncio que há em mim e basta
outro tempo começou pra mim agora

(...)

É, mas tenho ainda muita coisa pra arrumar
promessas que me fiz e que ainda não cumpri
palavras me aguardam o tempo exato pra falar
coisas minhas
(...)
já sei olhar o rio por onde a vida passa....


[realmente, um pedação. De novo, a preguiça de
procurar o compositor verdadeiro.
E não, não se aflija nem se comova; também não se empolgue.
Esta é só pra mim. Não é pra ninguém ler. Mesmo.]

As canções

Minha cabeça está povoada de canções
Canções que não são minhas
mas que ouço de passagem
e acabo adotando como amigas queridas

Elas sabem o que sinto
Elas sabem como estou
Elas seguem meus sentidos
Elas vão aonde vou


[por isso tenho falado tanto através das canções que ouço. Quando o congestionamento de emoções, sentimentos e percepções não permite que as palavras nascam de mim, são essas canções que me acalmam, que falam tudo aquilo que não quero calar]

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Pedaços de canções (5)

[na verdade, uma canção inteira... não sai da minha cabeça, muito bonitinha. Só não tive paciência pra confirmar o compositor; copiei como estava no cifraclub. Sim, bem amadora!]

Final Feliz

(Jorge Vercilo)

[Intro:] D7M(9) Bm7(11) Bm7/A Em7(9) Gm6

D7M A/C#
Chega de fingir
Bm7 Bm7/A
Eu não tenho nada a esconder
G7M Gm6
Agora é pra valer, haja o que houver
D7M A/C#
Não tô nem aí
Bm7 Bm7/A
Eu não tô nem aqui pro que dizem
G7M Gm6
Eu quero é ser feliz e viver pra ti

D7M A/C# Bm7 Bm7/A
Pode me abraçar sem medo
G7M D/F# F7M B7(9M) B7(b9)
Pode encostar tua mão na minha
Em7(9)
Meu amor,
A7(13) G/A F#m7(9) B7(9M) B7(b9) B7
Deixa o tempo se arrastar sem fim
Em7(9)
Meu amor,
A7(13) G/A F#m7(9) B7(b13) B7
Não há mal nenhum gostar assim
Em7(9)
Oh, meu bem,
A7(13) G/A F#m7(9) B7(9M) B7(b9) B7
Acredite no final feliz
Em7(9) Gm6 D7M
Meu amor, meu amor...


terça-feira, 7 de julho de 2009

Pedaços de canções (4)

"Ah, eu vim pra te dizer
que o instante de te ver
custou tanto penar
Não vou me arrepender
só vim te convencer
que eu vim pra não morrer
de tanto te esperar
Eu quero te contar
das chuvas que apanhei
das noites que varei
no escuro a te buscar
Eu quero te mostrar
as marcas que ganhei
nas lutas contra o rei
nas discussões com Deus
E agora que cheguei
eu quero a recompensa
eu quero a prenda imensa
dos carinhos teus"

[Ah, o Chico... ele sabe dizer direitinho o que uma mulher quer ouvir!]

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Sem título

Saio de mim mesma
perco-me na vastidão de minhas certezas
e no universo daquilo que a cada dia aprendo que ainda não sei

Eu ando por caminhos diferentes
Eu vou e venho por lugares onde nunca antes andei
mas dos quais guardo saudades como se fossem velhos amigos

Não sei o que se passa no turbilhão do meu pensar
eu vou girando no furacão dos sentimentos e sensações
indo ao sabor do vento, das escolhas, das vontades, das verdades

Não tenho chão, não tenho céu
nada me detém, nada me contém, nada me regula
apenas as limitações que eu mesma me imponho

só pra que a dificuldade possa dar mais sabor à jornada

quinta-feira, 2 de julho de 2009

O vento

Olha só o vento que vem vindo...
Vem trazendo novidades
vem levando o que não serve mais

Varre nuvens
varre folhas
brinca com as roupas no varal

Vento vem
e leva meu chorar
traz a chuva que vai me refrescar

Pedaços de canções (3)

"Ela é minha menina
e eu sou o menino dela
Ela é o meu amor
e eu sou o amor todinho dela"

[muito fofa!!]