terça-feira, 1 de março de 2011

Mais um presente

Bem... Acordei!

Surpreendentemente, às 7:30, sem despertador, sem cansaço, sem dor... Como se estivesse nascendo de novo, acordei! Não é o máximo?

Isso devia ser comemorado todos os dias!

Não lembro exatamente as palavras de Hamlet, mas ele queria dizer que a morte é um mistério pra nós, e nos dá medo porque nunca sabemos o que ela pode trazer a quem morre. Pensar em morrer dá medo, porque tudo pode ser. "Não sabemos que sonhos poderá trazer o sono da morte".

Também não sabemos a hora exata, não sabemos se estaremos preparados, se já teremos feito tudo o que queríamos fazer da vida - óbvio que não, porque a gente sempre quer fazer muito! A máxima "a única certeza da vida é que um dia vamos morrer" é triste, mas verdadeira. E, em um pensamento nada otimista, cada dia de vida é um dia a menos na "conta".

Por outro lado, se adotarmos uma postura de gratidão, enxergando cada novo dia como um presente - sim, cada "hoje", cada "agora", é um "presente", no duplo sentido da palavra - passamos a valorizar as chances, a tentar contentar ao máximo o espírito da gente (e, quem sabe, das pessoas ao redor) dentro do que um dia permite. Talvez seja assim que a gente ganhe o direito a viver o dia seguinte.

Não sei... Pode ser que não, mas pode ser que sim.
Pelo menos pra mim foi assim.

Acho que foi a minha entrega aos sentimentos de gratidão e de amor que curou meu mal-estar e me deu de presente este novo e lindo dia. Então... vou lá viver mais um pouquinho!